Drink and Uber


Um pedido de patente apresentado pelo Uber detalha como a empresa quer usar inteligência artificial para identificar passageiros embriagados. Funcionaria a partir da detecção de mudanças no comportamento do usuário que pedir uma corrida. Por exemplo, se o cliente está digitando mais devagar do que o normal, cometendo mais erros ou derrubando o telefone pode significar que ele está intoxicado. O algoritmo também seria capaz de juntar essas informações com outras, como a hora e o local em que o passageiro está. Se a corrida foi solicitada de uma região de bares e baladas, na noite de sexta, por exemplo, as chances de o usuário estar alterado são maiores.


Se o sistema concluir que o passageiro está bêbado, pode lidar com a solicitação da corrida de maneiras diferentes. Por exemplo, impedir que o usuário peça um Uber Pool, para que outros consumidores não sejam prejudicados ou apontar um motorista mais experiente. Fato é que a companhia acredita que somente o fato de deixar o driver saber que está prestes a pegar alguém que está bastante alterado pode ser positivo. Concordamos.

MATERIAIS GRATUITOS

MORSE YEARBOOK

Veja o que o futuro da tecnologia mobile reserva para os próximos anos.

RECEBA NOSSO CONTEÚDO