Huawei x Donald Trump: a gente te explica!



Se você passou o olho em qualquer notícia de tech nas últimas semanas, o nome da Huawei deve ter aparecido algumas vezes. Está meio fora do ar nessa? A gente te dá uma mão: no dia 15,Donald Trump colocou a fabricante chinesa na lista negra comercial norte-americana alegando que os hardwares da Huawei trazem “risco de espionagem” aos Estados Unidos. Na esteira dessa decisão, o Google suspendeu negócios com a Huawei, ela deixará de atualizar o Android dos celulares da chinesa; a Qualcomm e a Broadcomm congelaram a venda de produtos para a gigante tecnológica chinesa. A britânica ARM, que produz semicondutores para chips, parou de licenciar a sua tecnologia para a Huawei. Isso sem contar nas operadoras norte-americanas, britânicas e japonesas que também pararam de comercializar celulares da empresa. Ou seja, a blacklist dos EUA é um lugar onde não queremos estar.


Mas se você acha que a discussão toda morre nos celulares, está enganado, para muita gente, esse embate tem outro nome: 5G. A Huawei é a principal fornecedora de infraestrutura para redes mobile do mundo, com 31% do market share. A empresa tem liderado o desenvolvimento de chips e aparelhos de infraestrutura 5G. É só colocar tudo nas contas para entender que, caso a situação tensa entre ela e os Estados Unidos continue, poderá atrasar o desenvolvimento do 5G. Alguns têm chamado o caso, inclusive, de Guerra Fria Tecnológica”, e apontam que Trump bloqueou a Huawei estrategicamente para atrasar a chegada da China na tecnologia que promete revolucionar as redes móveis.

A entrada na “lista negra” só deverá acontecer daqui a 90 dias, enquanto Trump discute a redução de tarifas comerciais com a China. O presidente norte-americano falou, na sexta-feira, que a Huawei poderá estar no acordo firmado com a China. De qualquer forma, o CEO da gigante tecnológica, Richard Yu, informou que a empresa está pronta para enfrentar as sanções norte-americanas. Yu ainda indicou que eles já estão trabalhando em um sistema operacional próprio que poderia “começar a funcionar ainda este ano”.  No Brasil, a Huawei é responsável por 81% das antenas de rede móvel, mas apenas começou a vender smartphones há duas semanas. As operadoras brasileiras pediram neutralidade do governo brasileiro na questão, e parecem ter sido atendidas pelo Governo até agora. Vamos ficar atentos aos próximos capítulos…

MATERIAIS GRATUITOS

MORSE YEARBOOK

Veja o que o futuro da tecnologia mobile reserva para os próximos anos.

RECEBA NOSSO CONTEÚDO