O criador do “like” e futuro CEO da Salesforce

Sim, estamos falando do (e com o) mesmo executivo.


Chuva de likes


Quem não gostaria de trabalhar ao lado de Marisa Mayer, Mark Zuckerberg e Marc Benioff construindo histórias no Google, Facebook e SalesForce? Ah mas se você acha que isso já era suficiente para o nosso convidado de hoje, a surpresa vem agora... Soma isso e adiciona ser fundador de um aplicativo, ter participado de um dos pilotos do Google Maps e ajudada a desenvolver o famoso botão de curtir, que todos nós conhecemos. Pronto! Agora sim podemos anunciar o Bret Taylor. Curtiu? :)


O resultado da fusão dessas experiências não levou só ao Ghost Interview de hoje mas preparou Bret para alguns desafios, como encabeçar a compra do Slack e... quem sabe, algum dia, presidir a Salesforce (porque ele é o mais cotado para isso!)




Bret, de fato você tem um currículo que qualquer RH de empresa do Vale Silício gostaria de receber. Vamos explorar tudo isso, mas por agora fala um pouco sobre como sua carreira começou.


Eu me formei em Stanford e Marissa Meyer me recrutou para o Google como gerente de produto associado. Então, eu fiquei lá por cerca de cinco anos. Comecei com pesquisa e rastreamento - não havia muitos produtos lá no momento no Google - e então, eventualmente, fui solicitado a fazer uma pesquisa local que acabou seguindo para o Google Maps, que lancei com Lars e Jens Rasmussen em 2005, que é definitivamente minha conquista de produto de maior orgulho.


Lars e Jens tinham um software Windows chamado Expedition, do qual adquirimos os ativos e, quando eles chegaram ao Google, criamos esta versão de mapeamento da web do produto que se tornou o Google Maps. Também adquirimos a Keyhole, que se tornou o Google Earth. E foi uma experiência incrível. Acho que, quando lançamos, éramos seis. Acho que não antecipamos a resposta. E aí fiquei até meados de 2007 e comecei uma rede social relativamente malsucedida chamada FriendFeed.

(Entrevista ao podcast Recode Decode publicada em 16 de setembro de 2016)


Puxa, a Marisa é uma velha conhecida nossa. Agora, nos fale mais sobre o FriendFeed, que foi comprado pelo Facebook em 2008 e acabou se tornando o que conhecemos como o newsfeed do Facebook.


Você sabe, na verdade eu diria que o FriendFeed era provavelmente mais semelhante ao Twitter no sentido de que era um modelo de seguidor e a maioria dos perfis eram públicos. E isso leva as pessoas a seguirem pessoas nas quais estão interessadas, mais do que necessariamente apenas seguirem seus amigos. E era muito orientado para a discussão, então comentar e curtir publicações.


O que realmente queríamos fazer na época era ser meio que o feed de notícias da internet, onde você pudesse usar um serviço de fotos como o Flickr e seus seguidores pudessem ver que você publicou e meio que ser aquela camada social no topo do resto da web. Acho que há um problema do ovo e da galinha aí, porém, que não resolvemos direito. Essa foi uma mistura estranha de metáforas. Você entendeu isso?


Mas acho que a visão era interessante, certamente porque o Facebook fez coisas como open graph. Muitos dos motivos pelos quais eu acho que Mark decidiu comprar a empresa foi porque realmente compartilhamos essa visão do que significa tornar esses produtos mais sociais e poder ser esse tipo de cola social.

(Entrevista ao podcast Recode Decode publicada em 16 de setembro de 2016)


Você trabalhou no Google e no Facebook e viu muitos produtos mudarem suas plataformas de acessos… Mas especificamente no Facebook, você encabeçou um momento muito crucial para a empresa: o IPO e a migração para o Mobile. Como foi a entrada do FB no mundo mobile?


Cometemos muitos erros durante esse processo. O mais amplamente falado foi o compromisso com HTML5 versus aplicativos nativos. E foi interessante porque eu meio que não me arrependo de nenhuma das decisões que tomamos. Eu gostaria que tivéssemos mudado mais rápido. Mas quando começamos a fazer aplicativos móveis, havia muito mais diversidade de plataformas. O BlackBerry era muito popular, o Android não era muito popular e começou muito fragmentado. Nunca houve nenhuma consolidação. O IOS foi popular, mas apenas em alguns países e não em muitos dos países onde tínhamos iniciativas de crescimento realmente fortes. E então acabamos dizendo: "Tudo bem, haverá muita diversidade de plataformas. Queremos escolher uma estratégia de tecnologia que torne a nós e o Facebook em pé de igualdade em todas essas plataformas."


Então, rapidamente, o Android e o iOS acabaram ganhando. E então foi: "Ok, nossa estratégia é completamente falha, vamos tirar o melhor proveito da experiência para ambos." E você sabe, o que você aprende sobre uma empresa maior é que, mesmo que sua decisão tenha sido boa antes, não é apenas mudar uma decisão. Você tem que trazer todos junto com você. Você tem todos esses engenheiros comprometidos com uma estratégia e por diferentes motivos. Como pode ter sido por motivos de negócios, ou por motivos ideológicos. Como se fosse a web aberta. E agora você precisa mudar a estratégia, o produto. Você precisa treinar as pessoas novamente. São diferentes linguagens de programação. Isso foi algo muito humilhante para mim. É como, "Oh, eu cometi um pequeno erro, agora deixe-me passar um ano para relaxar."

(Entrevista ao podcast Recode Decode publicada em 16 de setembro de 2016)



E já aproveitando que o assunto é Facebook e apostas, de onde surgiu a ideia do botão de like?


A razão pela qual lançamos o botão em primeiro lugar foi porque, muitas vezes, as pessoas queriam reconhecer algo que alguém fazia, mas não tinham nada a dizer. E muitos comentários tinham uma palavra como 'legal' ou 'uau', então o botão curtir permitia que as pessoas fizessem isso com um único clique. Na verdade, não era apenas um sentimento de 'curtir'.

(Entrevista ao Techradar publicada em 20 de outubro de 2014)



No Facebook você foi CTO até o final de 2012, e você foi empreender, criou a Quip, uma plataforma de produtividade mobile. O que você estava fazendo lá?


Basicamente, estamos tentando criar a ferramenta de produtividade da próxima geração. Essencialmente, o sucessor do Microsoft Office. A principal coisa que tentamos fazer de maneira diferente é criar uma comunicação profunda na experiência do produto. Assim, você não precisa ir ao e-mail ou ao bate-papo para realmente falar sobre o que está fazendo. Assim, cada documento tem um tópico de bate-papo incorporado e você pode bater papo dentro e fora do documento. E nossos clientes basicamente o usam para deixar de usar o e-mail. Portanto, temos documentos, planilhas, chat e listas de verificação. E as pessoas o usam essencialmente como uma ferramenta de colaboração.

(Entrevista ao podcast Recode Decode publicada em 16 de setembro de 2016)



E como surgiu a ideia do Quip?


Uma das coisas pelas quais eu era responsável no Facebook eram os dispositivos móveis, o que era muito perturbador para nós como empresa. Tivemos que fazer essa transição realmente desconfortável para essa plataforma totalmente nova, e o que é ótimo sobre Mark Zuckerberg foi sua disposição de reimaginar o produto nessa nova plataforma, e é por isso que acho que o Facebook tem feito tanto sucesso lá. Nesse processo, vi o impacto que os dispositivos móveis estavam tendo no software.


Quando meu cofundador Kevin Gibbs e eu conversamos sobre começar uma empresa juntos, dissemos: "Se as comunicações do consumidor estão sendo afetadas tanto pelo celular, o que vai acontecer no trabalho?" O celular foi o que tirou as pessoas das ferramentas antigas. Seu telefone era tão importante para você quanto seu laptop, então você queria uma ferramenta que realmente parecesse nativa para essa experiência.


Percebemos quando construímos o protótipo que quase todas as nossas interações eram em tempo real, em oposição ao e-mail assíncrono. A única razão pela qual isso pode acontecer é por causa de notificações push. Nós pensamos, essa é a aparência das ferramentas modernas. Você não vê uma foto do Facebook e envia um e-mail para alguém sobre isso. Você posta ali mesmo e eles respondem muito rapidamente. Estamos projetando em torno da premissa de que o telefone celular, notificações push e mídia social mudaram fundamentalmente as expectativas das pessoas sobre a forma como o software deve funcionar.

(Entrevista ao Inc. publicada em 27 de julho de 2016)



Além do Quip, você também ingressou no conselho do Twitter. O que motivou essa decisão?


A minha rede social chamada Friendfeed. Na verdade, era muito semelhante ao Twitter. Pode-se dizer que o Twitter nos venceu. Era baseado em seguidores, então era realmente orientado em torno de certas discussões em vez de apenas receber as atualizações de seus amigos. Sempre adorei o Twitter. Realmente representou o produto que construí, embora muito mais elegante e com muito mais sucesso.

(Entrevista ao Inc. publicada em 27 de julho de 2016)



Então o Quip foi comprado pela Salesforce em 2016, por US$ 750 milhões, e ninguém mais, ninguém menos que o Marc Benioff falou que estava muito animado para trabalhar contigo. Tanto que, logo que entrou na empresa, você já respondia diretamente para ele. Por que decidiu entrar na Salesforce?


Um dos motivos pelos quais me senti tão atraído pelo Salesforce e que me deixa animado para sair da cama todas as manhãs, é que a Salesforce sempre foi definido por ser uma empresa inovadora e nossos clientes vêm até nós por causa dessa inovação.


Quando a Salesforce começou, ele atingiu alguns eixos diferentes. Primeiro, ele introduziu um novo modelo de negócios para software, baseado em assinatura, e também introduziu muitos conceitos de nuvem e software como serviço. Acho que é uma grande parte da cultura da Salesforce e a escala que vem com nosso tamanho atual é um privilégio incrível, porque significa que podemos fazer parceria com quase todas as empresas do mundo para ajudá-las a se transformar.


Mas vem com o fardo de dizer: "OK, como podemos permanecer ágeis e inovadores, apesar dessa escala?" Um risco de toda grande empresa de tecnologia é: você consegue manter o ritmo de inovação que o trouxe até onde você está? E eu diria que é algo em que realmente nos concentramos em nossa cultura.

(Entrevista ao Protocol publicada em 10 de julho de 2020)



Um dos negócios que você acabou liderando na Salesforce foram, exatamente, as aquisições. Antes da gente falar delas, queremos saber: por que você acha que essas empresas não fazem isso sozinhas? Por que as Microsofts, as Salesforces, as Googles não podem - a Google tem se empenhado no espaço dos documentos, mas não criou o Slack. Nem a Microsoft ou Quip ou qualquer outra coisa. O que acontece? Tem que acontecer fora com essas empresas menores que eles adquirem?


Essa é uma pergunta muito boa. É realmente difícil criar novos negócios em empresas existentes. Uma das maneiras de pensar sobre isso é se sua capitalização de mercado é de US $ 200 bilhões ou algo assim, criar um novo negócio e decidir investir nele é difícil porque, em todas as fases do seu ciclo de vida, isso é irrelevante para o negócio. Então, criar uma cultura onde você realmente identifica essas coisas, quando elas são inconsequentes, mas você quer vê-las crescer, é realmente desafiador. E você tende a ver essas coisas. Quando lançamos o Quip não tínhamos nenhum cliente. Tivemos que trabalhar, iterar e encontrar os poucos tópicos que eram populares entre nossos clientes e investir neles. E não sei se muitas grandes empresas têm paciência para fazer coisas assim. Portanto, usando o mercado amplamente como um R & D, onde você valida novos mercados e encontra o produto adequado, tende a ser mais fácil, embora provavelmente seja menos econômico. É muito difícil fazer isso. É interessante, estávamos falando sobre você ouvir que essas pessoas têm alguns amigos em empresas maiores que dizem, "Oh, não vou fazer uma startup, vou fazer uma startup no Google ou no Facebook. "

(Entrevista ao podcast Recode Decode publicada em 16 de setembro de 2016)



A compra da Tableau em 2019 por US$ 15,7 bilhões, uma das maiores da Salesforce, foi encabeçada por você. Qual foi o racional por trás dessa aquisição?


Isso resultou do meu desejo crescente, junto com o de meus clientes, de compreender as tendências em seus negócios. Temos mais dados do que nunca, então realmente ver e entender é mais difícil do que nunca. Quando conhecemos a Tableau, parecia uma opção muito boa por esse motivo. O acordo era parte de uma mudança recente para a Salesforce, de um foco exclusivo em aplicativos executados na nuvem, em vez de em clientes de software executados em seus próprios computadores.

(Entrevista ao The Information em 19 de junho de 2019)



Mas, talvez, a aquisição que tenha te elevado mais dentro da Salesforce tenha sido a da Slack, no ano passado. Alguns comentam que nem mesmo Benioff soube muito dessa compra, foi tudo você. Primeiro, como rolou?


Eu conheço Stewart [Butterfield, CEO e fundador do Slack] há mais de uma década. Comecei uma rede social chamada FriendFeed que foi adquirida pelo Facebook. E, naquela época, Stewart dirigia uma empresa chamada Flickr, um site pioneiro de compartilhamento de fotos sociais. Eu o conheço há anos e sempre admirei o Slack profundamente. Eu brinquei com ele outro dia, muitos empresários decidiram mudar a maneira como as pessoas trabalham, e você realmente conseguiu. E é realmente uma empresa que transformou a maneira como muitos de nós trabalhamos no nosso dia a dia. E sempre foi uma marca que admiro profundamente.


Avançando para 2020, você não pode ignorar o fato de que toda a economia se tornou digital da noite para o dia e a relevância de ferramentas como o Slack em um mundo que é totalmente digital, em um mundo onde as pessoas estão trabalhando de qualquer lugar, em um mundo que acho que não vai voltar a ser como era em 2019. E acho que isso influenciou nossa perspectiva sobre qual é a tecnologia que queremos fornecer aos nossos clientes daqui a três, quatro ou cinco anos? E se você olhar o portfólio do Salesforce - seja alguém em campo tentando resolver um problema e se comunicando com alguém em um contact center, ou um centro de comando para um departamento de marketing ou um departamento de comércio - realmente sentimos que neste mundo que vivemos agora é aquele novo normal saindo do próximo ano, mesmo depois de estarmos todos vacinados, realmente sentimos que a combinação do Slack e do Salesforce é o cliente 360. Na verdade, fizemos a devida diligência no negócio em um canal do Slack, o que foi muito interessante só de mostrar o poder dessa plataforma para realmente se conectar digitalmente a todos os stakeholders do seu negócio.


Para responder à sua pergunta sobre como isso aconteceu, estivemos conversando por anos e realmente parecia o momento certo agora, tanto para Stewart do lado dele quanto para o Salesforce. E eu realmente acho que a pandemia influenciou isso. Realmente temos uma tese de que essa pandemia acelerou muitas tendências digitais que existiam antes.

(Entrevista ao podcast Masters of Scale publicada em 17 de dezembro de 2020)



Quando você olha para o futuro do trabalho e vê a combinação de Salesforce e do Slack, existe uma ideia específica sobre como será o futuro do trabalho? A combinação dessas ferramentas oferece mais variedades de opções de para onde podemos ir?


Quando olho para as empresas que atendemos, como vendas e atendimento ao cliente e marketing, há algumas oportunidades realmente interessantes em cada um deles. Uma das grandes questões de cada CEO com quem falo é se vamos voltar ao escritório depois que acabar isso? Pergunta realmente interessante. Então eu vou te dar algumas estatísticas interessantes.


Portanto, desde o início desta pandemia, nossos funcionários, em média, têm 1,7 horas a mais de reuniões todos os dias. Totalmente insustentável. As pessoas estão queimando sentadas na frente de telas de zoom o dia todo. Em junho, quando entrevistamos nossos funcionários, 23% dos funcionários queriam voltar ao escritório. Apenas 23%. Então, naquele ponto de junho, nós pensamos, "Oh meu Deus, ninguém quer voltar para o escritório." Agora, quando puxamos nossos funcionários, é 72%. As pessoas dizem: "Tire-me daqui. Meus filhos não me deixam trabalhar. Estou sentado na mesma cadeira há 12 meses. eu quero voltar."


Portanto, acho que a resposta terá muitas nuances. Falei com Matt Mullenweg, que é alguém que admiro profundamente, que executa o WordPress, e tem o tipo de posição de ter sido uma empresa home office desde a sua criação. E ele comentou comigo um ponto quando eu estava pedindo a ele um conselho, ele disse: "Você não está experimentando trabalho home office agora. Você está passando por uma pandemia". E eu acho a questão óbvia: voltamos do outro lado disso quando não é imposto sobre nós por razões de saúde? Em que optamos?


E o que estamos vendo em geral é um ambiente mais flexível para funcionários e

empregadores. Acho que as pessoas querem um pouco da flexibilidade de não ter que ir para o escritório todos os dias, mas eles querem a oportunidade de fazer isso. Eu conversei com muitas empresas que estão falando sobre o recrutamento em uma variedade muito maior de lugares, o que eu acho que é uma oportunidade incrível de melhorar a diversidade em todas as empresas. Mas acho que vai ser uma implementação realmente diferenciada para cada empresa.



Mas por trás de tudo isso está a importância de ferramentas como o Slack, que é quando você tem uma empresa que é um modelo híbrido com uma abordagem de trabalho flexível, tendo ferramentas que realmente permitem que você seja seu HQ digital. Isso é importante. Você pensa sobre se você vai ter que correr para se encontrar com um cliente cada vez que quer uma reunião agora? Provavelmente não. Você teve um ano de provas que o Zoom pode funcionar.

(Entrevista ao podcast Masters of Scale publicada em 17 de dezembro de 2020)



Isso talvez possa responder por que o Salesforce pagou US$ 27,7 bilhões pelo Slack?


Somos incrivelmente otimistas quanto ao valor para nossos clientes - é aí que nossa tese começa com qualquer fusão e aquisição. A tendência que observamos é essa mudança para um mundo totalmente digital e de trabalho em qualquer lugar. A pandemia realmente acelerou, para muitos setores da economia, a digitalização das indústrias. As empresas de bens de consumo estão indo direto ao consumidor, a medicina vai se digitalizar mais rápido.


Em um mundo onde a força de trabalho está mais distribuída, não são apenas as empresas de tecnologia que pensam nessa onda de trabalho remoto no futuro. Você vê o que significa se envolver com seus funcionários, parceiros e clientes neste mundo totalmente digital. Slack e ferramentas como essas são mais relevantes do que nunca.


O Slack também tem alguns recursos interessantes como o Slack Connect, que são conexões entre empresas. Vemos isso como o futuro da maneira das pessoas se relacionarem com seus parceiros, com seus clientes e com seus funcionários. E achamos que existe uma oportunidade de ajudar as empresas nessa nova normalidade, que realmente acreditamos que veio para ficar. Achamos que é uma oportunidade incrível e que vale a pena.

(Entrevista ao The Information em 2 de dezembro de 2020)


MATERIAIS GRATUITOS

MORSE YEARBOOK

Veja o que o futuro da tecnologia mobile reserva para os próximos anos.

RECEBA NOSSO CONTEÚDO