Stripe: a startup de US$ 95 bilhões

Dois irmãos de 20 anos criam uma startup no dormitório da faculdade (que acabaram abandonando) e criam um negócio disruptivo que rouba clientes de empresas grandes de tecnologia. Ah, e nesse meio tempo, a empresa chega a um valor de alguns muitos bilhões. Parece muita ficção? Pois conheça John Collison e Patrick Collison, os criadores e atuais líderes da Stripe - empresa de processamento de pagamentos que, nessa semana, chegou a US$ 95 bilhões de valor de mercado.


E, se você acha que estamos exagerando na história que contamos ali no começo, saiba um “pequeno” extra: quando tinham 16 e 18 anos (John e Patrick, respectivamente), criaram um plugin para melhorar os leilões feitos no eBay; em 2008, esse software foi vendido por 5 milhões de dólares. Ok. Os irlandeses deixam até mesmo quem conhece inovação um pouco intimidado, mas a gente trouxe esse Ghost Interview bem pé no chão para você entender, afinal, como eles foram de adolescentes prodígios para donos de uma empresa que desbancou a PayPal e o Google...



Patrick, você é o atual CEO da Stripe (e o irmão mais velho, rs), então conta para a gente: como foi que vocês resolveram criar a empresa e qual era o problema que estavam tentando resolver?

Patrick: Começamos a trabalhar nisso como um projeto paralelo, enquanto eu estava no MIT, e ficamos perplexos com o quão complicado e estranho era fazer transações pela internet. Parecia um ecossistema predominante projetado para reduzir o número de empresas na Internet.

O problema com o PayPal e todas essas [outras empresas de pagamento online] é que eles são feitos para o consumidor final. As empresas geralmente desejam ter controle total da própria infraestrutura e que ela se ajuste adequadamente a seu produto e experiência. Especialmente com o surgimento dos dispositivos móveis, as empresas queriam um faturamento sem atrito em segundo plano. Suspeito que o PayPal teria resolvido isso se eles não tivessem sido adquiridos. Falando como desenvolvedor, o PayPal não resolveu nosso problema.

Então, começamos a trabalhar na Stripe como um projeto paralelo, para ver que tipo de solução poderíamos encontrar e como ela ia parecer. Em seis meses, a gente parou de ver como uma solução apenas voltada para pessoas como a gente - ou seja, desenvolvedores independentes que têm pouca tolerância com burocracia, e mais como uma possível infraestrutura para a internet como um todo. Entendemos que a questão das transações financeiras online não estava ruim apenas para a gente, mas para todo mundo do mercado, grandes empresas, pequenas empresas, para os negócios de fora dos EUA.

(Entrevista à revista Forbes em 18 de agosto de 2015)

Uma das perguntas que a gente mais se faz é por que o sistema que vocês criaram para processar os pagamentos online para empresas não tinha sido criado antes. Mas a real é que as grandes empresas como a PayPal e o Google estavam tentando, por que eles erraram?

Patrick: Você olha para o Google Checkout, olha para o PayPal - eles atrapalham o produto. De muitas maneiras, o Google e o PayPal estão tentando criar seu próprio relacionamento com seu cliente e as empresas acabam não querendo isso. Acho que é isso que Stripe fez de diferente: projetamos para uso rápido, sim, mas também para que a empresa possa manter o controle de sua experiência, seu produto e seus clientes.

(Entrevista à Fast Company em 1 de fevereiro de 2012)

Mas, exatamente por vocês estarem num mercado que parecia cheio de competidores, as primeiras rodadas de investimento foram um pouco mais duras. O John chegou a comentar que os VCs só entenderam que vocês poderiam crescer quando viram o produto já pronto e sendo usado. Em algum momento, vocês chegaram a falar o que sentiam sobre a PayPal para o próprio Peter Thiel, que, inclusive, acabou investindo na Stripe em nome da PayPal lá no começo… não é? Conta para a gente!

John: Para nós foi bastante visceral: a gente chegou à conclusão que os produtos que existiam não atendiam às necessidades dos clientes, então a gente se propôs em construir algo melhor. Em empresas tradicionais antigas, é o CFO que escolhe o sistema de pagamentos. Eles pensam que todos os sistemas são iguais, então eles apenas classificam as propostas dos fornecedores. Mas se você é um desenvolvedor construindo o próximo Kickstarter, ou o próximo Lyft, e tem uma equipe de duas pessoas, ambas escrevendo códigos relativamente complexos e resolvendo problemas de infraestrutura complexos, você precisa de uma API de pagamentos simples que - uma vez instalada - não fica mudando.

É um pouco impetuoso ir aos fundadores do PayPal e dizer que os pagamentos na Internet estavam totalmente quebrados. Mas falamos, olha, você pode usar o WhatsApp para qualquer pessoa no mundo e é grátis. É um notável ato de coordenação entre as telcos e os ISPs e as pessoas que possuem a fibra sob o mar para criar esta rede de comunicações global. Então, se você olhar para a infraestrutura econômica, ainda nem começamos.

Essa era a visão original do PayPal, mas eles não a fizeram realmente acontecer, então acho que eles nos entenderam, de uma forma que muitas pessoas não conseguiram.

(Entrevista à revista Wired, publicada em 5 de outubro de 2018)

Mas o que, exatamente, a Stripe faz?

Patrick: A Stripe é uma espécie de plataforma, ou kit de ferramentas, que ajuda a empresa a controlar a sua receita. É tão importante. Essa coisa de receita, aquela consideração auxiliar de como uma empresa lida com seus clientes e como eles lidam e pensam sobre seu funil de marketing, e como eles pensam sobre todos os requisitos regulamentares ou de conformidade em torno deles, especialmente para coisas como mercados; como eles pensam sobre seu reconhecimento de receita, sua lógica de faturamento, se você pensar em uma empresa de SaaS ou algo parecido.

Nesses diferentes espaços auxiliares, é claro, muitos deles são bem povoados, mas pensamos no Stripe como uma plataforma para primeiro lançar, mas depois construir e escalar, um negócio na Internet.

(Entrevista ao podcast Recode Decode em 13 de junho de 2017)

No começo, vocês iam nas empresas de porta em porta para garantir que eles estavam instalando o API da Stripe. Era a “Collison installation", qual era a função disso?

Patrick: Serviu a dois propósitos. Era uma maneira muito boa de fazer uma pesquisa de usuário e obter um tipo de feedback de UX e assim por diante. E quero dizer, se você fez isso, tenho certeza de que teve a experiência de projetar o que tem absoluta certeza de que é a maneira mais simplificada, amigável, direta e sem atrito de fazer tudo o que o produto faz. E então você coloca na frente de um usuário e eles reagem de maneira completamente impensável, clicando em todos os links errados. O outro propósito era que, assim, a gente conseguia fazer com que as pessoas instalassem nosso API. Isso porque o Stripe é um produto que as empresas achavam ótimo quando apresentávamos, mas nunca era o momento deles instalarem ou migrarem, e sempre pode ser adiado e adiado novamente e, tipo, nunca há um momento em que é tipo, “ok, esta é a noite em que vou mudar para o Stripe”. E então a gente ir abordar pessoalmente ajudou ... (Conversa “Running your Company” com Andora Cheung, sócia da Y Combinator, para a Y Startup School, publicada em 3 de outubro de 2018)

E, mesmo hoje, com alguns produtos na prateleira, como o Atlas e a Stripe Capital, como está o mercado endereçável da Stripe?

John: As pessoas tendem a pensar que o online já aconteceu e tudo o que já foi descoberto já aconteceu, mas na verdade, em vários países, há um aumento muito rápido do dinheiro digital. Os comportamentos e métodos dominantes estão mudando. Ali Pay e WePay surgiram do nada e os players de pagamento agora estão ganhando o mercado, principalmente na China. Quando começamos e estávamos promovendo os investidores em 2010, eles pensavam, o PayPal já não está bom? Este mercado já não está todo resolvido? Eu estava apresentando fatos que mostram que cerca de 5% dos gastos globais dos consumidores ocorrem online hoje. Achamos que ainda há uma ordem de magnitude para crescer e gostaríamos de ajudar a chegar lá o mais rápido possível.

(Fala no Startup Grind 2019, como publicada pelo Hacker News em 12 de fevereiro de 2019)

A gente queria ter espaço para falar de todas as áreas de negócio da Stripe, mas vamos aqui focar no que a gente curte mesmo: conteúdo. Em 2017, vocês lançaram a Increment, uma revista para “o pessoal de software”, e também compraram o site Indie Hacker. Por que e como isso se liga com a visão da Stripe de aumentar o PIB da internet?

Patrick: O que adoro nos Indie Hackers é que ele é tão focado na mecânica e nos detalhes, e não se trata de, você sabe, todo mundo pode ficar animado com a ideia de abrir uma empresa, mas como você realmente faz isso? Qual serviço você usa? Que desafios você encontra? Como você lida com a solidão? O que você usa para análises? As porcas e parafusos assim. Eu posso ter mencionado isso para você antes, mas algo sobre o qual pensamos muito, e algo que costumo fazer referência, é que há uma citação apócrifa atribuída a Picasso, não acho que ele realmente disse isso, mas é tão boa que vou repetir: quando você reúne os críticos de arte, eles falam sobre coisas como temas e motivos e macrotendências e todo o resto, e quando você reúne os pintores, eles discutem onde conseguir terebintina barata. Indie Hackers é uma espécie de site sobre terebintina barata.

Novamente, atendendo a esse objetivo de ajudar mais esses negócios a começar, achamos que pode ter um impacto realmente alto. Quando você olha para o número total dessas empresas no mundo hoje, não há razão para que não possa ser substancialmente maior. E quando olhamos para o Atlas e nossas pesquisas, quando perguntamos aos fundadores, "Qual a probabilidade de você não ter começado se o Atlas não existisse?" Isso realmente dá a sensação de que é realmente surpreendentemente possível ter um impacto significativo aqui.

Para o Increment, é um pouco mais tarde no ciclo de vida da empresa. Depois de chegar a 10-20 engenheiros, você está além do ponto em que se trata apenas de construir o produto inicial e é mais como um grupo de pessoas constrói software em conjunto? Ficamos realmente impressionados ao ver como há uma enorme quantidade de artigos sobre como um engenheiro individual deve fazer algo e as melhores práticas e as linguagens que você deve usar, as tecnologias e todo o resto; surpreendentemente, há pouco publicado sobre como grupos de pessoas devem construir software juntos e as práticas que devem adotar e como devem fazer coisas como testes, como devem fazer coisas como implantação, como devem fazer coisas como manusear pagers e os incidentes inevitáveis ​​que surgem e coisas assim.

Bem, novamente, o Stripe se sai melhor se a economia da Internet for maior e, portanto, se o sucesso do Increment, se ele realmente fizer uma fração considerável das empresas crescer mais rápido ou operar de forma mais eficaz e assim por diante, isso é realmente uma notícia realmente fabulosa para nós.

(Entrevista ao podcast Recode Decode em 13 de junho de 2017)

O conteúdo é um pouco da forma que vocês começaram a vender os produtos da Stripe, também, não é?

Patrick: Bem, eu me lembro de um cara que trabalhava no Stripe, seu nome é Evan. Ele escreveu uma postagem no blog sobre como depurar Python, que é uma linguagem de programação, com GDB, que é um debugger. Não tinha muito a ver com Stripe, mas na verdade era uma postagem de blog muito boa. E isso provavelmente foi em 2012. E isso teve um monte de tráfego. E como consequência, as pessoas descobriram o Stripe e talvez perceberam que sabíamos algo sobre o que estávamos falando do ponto de vista técnico. E isso mexeu com a gente em uma época em que, na verdade, ninguém tinha ouvido falar de nós.

(Entrevista ao podcast de Tim Ferris, “The Tim Ferris Show” publicada em 24 de dezembro de 2018)

Para a gente, é difícil olhar para a Stripe e não pensar no “dilema da inovação”. O que acham sobre empresas grandes e inovação? E, principal, o que estão fazendo agora para tentar seguir o passo de inovar?

John: Um problema de fazer produtos digitais é que as pessoas que os fazem podem ficar muito distantes de seus usuários finais. Meus pais administravam um hotel e, portanto, não precisavam fazer pesquisas complexas com os usuários para descobrir se os clientes estavam satisfeitos. Eles seriam informados rapidamente se não fossem. Tentamos ficar perto de nossos usuários e, felizmente, eles não têm medo de nos dizer o que está funcionando bem e o que não está.

(Entrevista ao Irish Times em 18 de dezembro de 2020)

Patrick: Estamos constantemente nos irritando sobre o quão lentos somos. E paranóico sobre degenerar em algum tipo de estupor imóvel.

E então, uma coisa que fazemos todos os anos, por exemplo, é ter esse tipo de processo de “ideias malucas” que chamamos, onde literalmente enviamos um documento para toda a empresa, um documento [hackpod] aberto a todos. E as pessoas podem adicionar ideias que acham que provavelmente são uma má ideia, mas se funcionarem, pode ser uma ótima ideia. E é muito importante que provavelmente sejam uma má ideia. Porque se eles acham que provavelmente são uma boa ideia, então não é tão arriscado, e quero dizer, tipo de definição que provavelmente deveríamos fazer, e assim por diante. Talvez devêssemos apenas fazer isso. E assim, as pessoas realmente se autocensuram muito na maioria das organizações, porque não querem parecer estúpidas e não querem ser associadas a apenas ter todas essas ideias malucas e ruins e assim por diante. E então, tentamos ser bastante firmes de que, se você adicionar ideias a isso, provavelmente será uma má ideia. E, na verdade, um monte de coisas legais que subsequentemente fizemos e fizemos primeiro vieram desse processo. Stripe Atlas foi uma delas. E também ajudamos o Stellar a decolar, esse tipo de criptomoeda alguns anos atrás. E isso também meio que veio desse processo. E então, esse é um dos mecanismos pelos quais tentamos ter uma espécie de sim e cultura. E eu realmente acho que não há tantos, assim como uma questão empírica, não há muitas organizações grandes que eu acho que realmente fazem isso com sucesso.

(Conversa “Running your Company” com Adora Cheung, sócia da Y Combinator, para a Y Startup School, publicada em 3 de outubro de 2018)

E você acha que a Stripe é um sucesso? Como uma startup pode medir isso?

Patrick: Não há nada como uma empresa jovem para lembrá-lo todas as manhãs de que há muito a ser feito, tanto que ainda não está funcionando como deveria. Quero dizer, é realmente muito visceral. Você acorda de manhã e há 20 e-mails em sua caixa de entrada que são de alguma forma todos relacionados a coisas que você está fazendo de maneira errada ou errada. Nunca há um momento em que parece bem-sucedido.

Tem uma frase que gosto muito, do Greg LeMond que é: nunca fica mais fácil, você só fica mais rápido. E isso se aplica demais ao mundo das startups. Há um monte de verdade dolorosa nisso onde, conforme você pedala mais, pratica mais, fica mais em forma, fica mais rápido, conforme sua forma melhora, claro, você começa a pedalar mais rápido, seus tempos melhoram. Mas a experiência de andar de bicicleta nunca foi tão fácil. A dor que você sente na primeira volta de bicicleta, é a mesma dor que você vai sentir na sua 500ª volta de bicicleta. Você apenas estará indo muito mais rápido no 500º passeio de bicicleta.

E parece que está em uma startup, onde todos os dias os problemas e desafios são para agora e, você sabe, a dor visceral é tão aguda quanto quando estávamos começando. O problema está apenas em uma forma diferente. É esse tipo de processo implacável de tentar mudar o que existe e o que conseguimos criar coletivamente até agora para o que todos queremos criar em primeiro lugar. E ainda temos um longo caminho a percorrer.

(Entrevista ao podcast How I Build Things with Guy Raz, publicado em 18 de junho de 2018)

Depois da última rodada de investimento, que avaliou vocês em US$ 95 bilhões (como comentamos lá no começo), qual os próximos passos da Stripe?! Ou melhor: tem um IPO vindo por aí?

John: Não importa a entrevista que eu já tenha dado, sempre consegui uma pergunta sobre isso, e minha resposta é sempre a mesma, que é não, não estamos planejando nenhum IPO. (Entrevista ao irlandês RTE em 27 de fevereiro de 2021)






MATERIAIS GRATUITOS

MORSE YEARBOOK

Veja o que o futuro da tecnologia mobile reserva para os próximos anos.

RECEBA NOSSO CONTEÚDO

_Morse

_Siga a gente

  • SoundCloud ícone social
  • Spotify ícone social
  • RSS ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Instagram