Teste de DNA da 23andMe

Anne Wojcicki fala tudo sobre o negócio que trouxe a genética para o bolso das pessoas


Os resultados dos testes chegaram…


Pode ter certeza que está tudo no seu DNA, tudo. Inclusive com os bilhões de dólares! Pelo menos é esse o caso da Ghost Interview de hoje: Anne Wojcicki, fundadora e CEO da 23ANDme, uma das primeiras healthtechs a levar testes genéticos diretamente para o público. Anne se tornou uma bilionária nesta semana, quando a 23andMe abriu capital a partir de uma SPAC.


Mas antes de falar sobre a empresa de DNA 23andme precisamos falar do DNA da família Wojcicki, já que essa genética ganhou palco até para a produção de um livro. Para quem está ligando o sobrenome a outra pessoa, você pode estar pensando na irmã de Anne: Susan, que é CEO do YouTube. Mas foco na Anne que aqui neste Ghost vai falar para gente o que está por trás do DNA de uma empresa de inovação e de sucesso:




Anne, antes de começar a 23 and me, você teve uma passagem pelo mercado financeiro, certo? Como isso acabou te ajudando a migrar para a healthtech?


Trabalhei para uma empresa chamada “Investor AB”, que pertence à família Wallenberg na Suécia. Sempre achei as ações de biotecnologia fascinantes. Eu adorei o espaço da biotecnologia, mas não sabia que eu poderia realmente ser paga para pesquisá-la.

Eu era uma analista pesquisadora em Wall Street. As pessoas sempre falam que eu fui uma investment banker. Mas não era isso que eu fazia, eu analisava certas empresas.


O Investor AB são os maiores acionistas da AstraZeneca, e possuem uma grande fatia de uma empresa chamada Gambro que é uma empresa de diálise, por isso nos interessamos pelo transplante. Eles também possuíam um monte de eletrônicos, como a Ericsson. Foi a primeira vez que experimentei a convergência de saúde e TI [tecnologia da informação].

Nos últimos anos, no mundo dos fundos de cobertura, não fiquei muito feliz em investir. Houve um período em que a indústria farmacêutica não estava fazendo muitas pesquisas inovadoras. Tratava-se apenas de reformular medicamentos ou maximizar os pagamentos do hospital, e isso não era muito interessante para mim. Isso também foi quando eu estava no San Francisco General.


Comecei a ver essa desconexão entre o que estou investindo e as pessoas que estão realmente consumindo cuidados de saúde. Ninguém adora cuidados de saúde. Para mim, foi uma desconexão muito triste entre todas as pessoas que tentam ganhar dinheiro com isso, e as pessoas que precisam. Eu estava relativamente infeliz, eu diria, por alguns anos.


Então eu estava em um evento na Wall Street em San Francisco e conheci Markus Stoffel, que era um geneticista na Rockefeller. Sentamos no fundo da sala e discutimos a absoluta falta de criatividade e o quão desafiador era o desenvolvimento de medicamentos. Ele foi a primeira pessoa com quem conversei sobre a criação de um enorme conjunto de dados com todas essas informações.


A última área de investimento que eu estava pesquisando mesmo foi o espaço da genética. A Affymetrix foi uma das empresas que conheci desde 1996. Conheci essas pessoas que disseram: "É incrível - o panorama da genética é tão empolgante e tudo está mudando." Percebi que era barato o suficiente para que você pudesse capacitar as pessoas a terem acesso às suas próprias informações. E houve um grande movimento de crowdsourcing. Foi o início da Web 2.0. A ideia era permitir que as pessoas tivessem acesso a seus genomas e aprendessem sobre ciência. Então eu conheci Linda [Avey], que estava na Affymetrix, e eles tiveram essa ideia de uma empresa de testes de consumidor, então as duas ideias realmente se fundiram.

(Entrevista na revista científica PLOS Genetics publicada em 15 de outubro de 2015)



Agora, explicando de maneira breve: o que a 23andme faz?


A 23andMe tem como objetivo capacitar as pessoas a aprenderem sobre suas próprias informações genéticas e, em seguida, capacitá-las a participar de pesquisas colaborativas para encontrar novos insights sobre doenças e, com sorte, um dia encontrar novas curas.


(Entrevista ao The Startup Squad publicada em 1 de junho de 2018)



Nesse sentido, a 23andme veio ao mercado com uma ideia diferente: a de trazer os testes de DNA diretamente para os usuários, sem ter que passar por pedidos médicos. Como foi o processo de criar esse produto, e a aceitação do público?!


Nós não fizemos pesquisa de mercado. De certa forma, foi até adorável a maneira que a gente lançou essa empresa. Uma das coisas que eu já tinha percebido ao trabalhar com cientistas quando estava na AB era o quanto eles tinham dificuldade no mundo dos negócios. Nos primeiros dias, a gente logo percebeu que as pessoas não faziam ideia de que poderiam querer as suas informações genéticas.

Ou seja, nos primeiros dias, a gente vendeu 1 mil kits, mas nos dias seguintes isso caiu para algo como 10 a 20 kits por dia, e foi bem triste.

Nunca duvidei que era um negócio viável. Mas para mim, houve uma falha inicial com o consumidor, porque a gente falhou em não educá-lo propriamente sobre o potencial do nosso produto. Então a gente acabou tendo que dar um passo para trás e reavaliar, transformar a mensagem estranha em maravilhosa (para as pessoas).


(Entrevista ao podcast Masters of Scale publicada em 1 de agosto de 2019)



A mudança que fizeram foi, principalmente, no storytelling da empresa, não é?Passaram a vender kits de ancestralidade, para as pessoas verem de onde vieram, e não exatamente quais doenças poderiam ter. Como foi essa mudança? Além disso, você pode falar um pouco do modelo de negócios de vocês?



Eu tenho Hashimoto, uma doença genética na tireoide. Mas você não gostaria de ficar me escutando falar apenas sobre essa doença. Mas, se eu chegasse para você e falasse “ eu tenho ascendência da Tailândia e do Leste africano, e eu conheci os meus parentes de lá”, aí sim você tem uma história. A parte de ancestralidade abriu a porta para um número massivo de histórias, e o senso de identidade, e isso mudou nosso produto.


Sobre o modelo de negócio: somos direct to consumer. e acho que esse é uma das maiores

polêmicas sobre a empresa, é que não passamos por médicos. Então, a maioria das informações de saúde, até hoje, eram controlados por médicos. Por um tempo, os testes de gravidez de farmácia eram considerados controversos porque se considerava que as pessoas não deveriam ter acesso direto aos resultados.


Para os médicos, eles estão acostumados a ter as informações em primeiro lugar para eles e

então, eles estão acostumados a decidir se você deve ou não ter informações. Então foi

chocante, que as pessoas estavam entrando e dizendo: "Olhe para todas essas coisas que aprendi sobre mim, o que você acha? "

Para mim, não foi chocante porque me lembro muito bem de quando estava investindo em WebMD e os médicos tinham uma opinião muito semelhante. Tipo, "Espere um minuto, sou eu que direi todos os diferentes diagnósticos potenciais. "


Portanto, reconheço que foi mais uma transição e optamos pela abordagem direta ao consumidor porque, francamente, é uma abordagem muito mais escalável. É o que aprendi no Vale do Silício, os consumidores podem impulsionar a mudança de comportamento. Eu nunca seria capaz de pagar uma campanha de educação médica, então criamos todos os tipos de materiais de apoio para médicos e queríamos ter certeza de que eles entendiam o que estávamos fazendo e era cientificamente válido, mas a comunidade médica definitivamente tem demorou a adotar a genética.

(Entrevista ao podcast Masters of Scale publicada em 1 de agosto de 2019)



O approach para o consumidor não foi o único que você se “apropriou” do Vale do Silício. Mas antes, um contexto: A 23andme teve algumas fases ruins, como quando a Food and Drug Administration ordenou, que a empresa parasse imediatamente de vender seu kit de análise de DNA lá em 2013. Qual metodologia do Vale do Silício ajudou vocês nesse período?


Estávamos fazendo muito. Aquela era a idade das trevas porque não tínhamos OKRs e muitos projetos iriam acontecer, e era difícil dizer não a uma oportunidade. Mas depois em abril de 2017, após três anos e meio de incertezas, a 23andMe finalmente recebeu a aprovação do FDA e eu fiz uma espécie de varredura limpa. Mudamos várias pessoas e trouxemos OKRs, e acho que isso foi transformador para a empresa. Eu me lembro dos primeiros dias ouvindo sobre OKRs de minha irmã. Ela dizia: 'não éramos nada e estávamos tentando entrar nessas indústrias gigantes e bem estabelecidas.' Como você fez isso? Ela disse: 'Bem, nós temos este sistema OKR onde definimos objetivos claros e resultados-chave e é mensurável e então todos sabem exatamente no que estamos trabalhando, e ele alinha todos juntos'. ” Esse tipo de impacto em grande escala surgiu por meio do foco crescente dentro da organização. Com os OKRs, as pessoas podem dizer não , não faz parte dos OKRs, não vamos trabalhar nisso.

(Entrevista ao site WhatMatters em 20 de novembro de 2019)



Outro assunto bem sensível para as empresas de tecnologia de maneira geral que acaba tocando a 23andMe é o dos dados e do uso de dados.


Temos uma API [Application Program Interface], uma ferramenta padrão no mundo da tecnologia para permitir que as pessoas acessem seus dados. Dessa forma, Promethease e todos esses outros podem construir ferramentas em cima da infraestrutura que temos. Tentamos encorajar o uso para arte, música ou outras coisas que simplesmente não estamos fazendo. São seus dados - você pode fazer todos os tipos de coisas - explore-os! Queremos fomentar essa indústria de outras pessoas, dando vida aos seus dados de uma forma que não fazemos, e tivemos outros grupos de pesquisa usando dados para informações médicas [diretamente de nossos clientes].

(Entrevista ao Journals em 15 de outubro de 2015)



Vocês passaram um tempo fazendo parceria com farmacêuticas para compartilhar parte dos dados de resultados dos testes dos usuários para essas empresas poderem criar novos medicamentos. Isso gerou certo burburinho sobre como os dados da empresa são gerenciados, poderia explicar?


Então, não damos [os dados para as empresas] ... pedimos às pessoas, a maioria dos negócios BD que fazemos, nos baseamos em dados agregados, não são dados de nível individual. Então, por exemplo, se estivéssemos fazendo um estudo, novamente, sobre enxaquecas, e estivéssemos trabalhando com a Pfizer, vamos dar a eles dados agregados. Então, vamos dar a eles a análise dos resultados.


Definitivamente, existem alguns casos em que consentimos novamente com as pessoas para que possamos devolver os dados, e agora permitimos às pessoas a opção. Há algumas pessoas que simplesmente dizem: “Quer saber? Use meus dados para o que quiser. ” E então há pessoas que têm outra camada de consentimento e estão dizendo: "Fico feliz por você fazer o que quiser com os dados." Portanto, a maior parte da análise que fazemos com os parceiros é baseada em dados agregados.

(Entrevista ao podcast Recode Decode em 22 de outubro de 2018)



Existe o ponto da privacidade e também do consentimento, não é?!


Por que isolar os dados de saúde? Meus dados de saúde são realmente mais confidenciais do que meus dados de pesquisa? Eu acho que você provavelmente poderia argumentar que tudo que está em meu registro médico eu pesquisei em algum momento.


O maior desafio que virá é o consentimento. Dependendo do que eles querem fazer, o processo de consentimento não é necessariamente algo que faz parte de como muitas dessas empresas operam.


(Entrevista ao Financial Times em 10 de abril de 2020)



A reciprocidade é importante nesse sentido do consentimento, quando as pessoas entendem que dividir os dados podem beneficiá-las de alguma forma, isso acaba aumentando a taxa de opt-in. De qualquer forma, estamos vendo bastante dados de saúde sendo usados para o benefício próprio dos usuários, como o caso dos wearables, qual a sua opinião sobre isso?


Seus genes ditam um determinado elemento, mas você tem essa enorme variabilidade em seu ambiente. Se pudermos entender quais variáveis ​​são realmente importantes, então você pode potencialmente ter uma vida ideal. Se você sabe que é de alto risco, provavelmente um diabético Tipo I, há coisas em seu ambiente que você pode alterar para não desenvolvê-lo?


Muitas dessas coisas são potencialmente evitáveis ​​se você realmente souber o que pode mudar. Para mim, um dos grandes elementos da 23andMe é fazer esse tipo de pesquisa de prevenção. É que se eu reunir toneladas de pessoas e puder realmente coletar ... Os wearables são realmente interessantes para mim não só porque é um único wearable, mas em massa, se pudermos realmente começar a olhar para os dados ambientais, dados de exercícios, dados do sono, você pode começar a fazer a triagem e entender o quanto essas coisas realmente impactam, e você terá que segui-las por um longo tempo.


(...) Não existe um Facebook da saúde. Estamos chegando a um ponto em que posso dizer que finalmente tenho massa crítica. Vejo todas essas grandes almas aqui no Vale do Silício e ao redor do mundo ninguém está tentando fazer mudanças realmente inovadoras na área de saúde.


É difícil porque os cuidados de saúde são espetacularmente fragmentados. Uma equipe de oncologia em Stanford não faz as mesmas coisas que uma equipe de oncologia no Memorial Sloan Kettering e para protegê-la sob a Prática da Medicina, e eles têm maneiras diferentes de se envolver com seus pacientes. Tudo está espetacularmente fragmentado.


Para nós, uma das coisas de que estou muito orgulhosa e que vimos é que agora tenho milhões de pessoas em uma única plataforma que sei que estão todas interessadas em seu DNA e sua saúde. Acho que há um enorme potencial para ajudarmos, novamente, a envolver todos os nossos clientes e, potencialmente, trabalhar com todas as empresas de tecnologia inovadoras aqui e fornecer a elas uma plataforma.

(Entrevista ao podcast Recode Decode em 29 de setembro de 2019)



O que o futuro das pesquisas genéticas nos aguarda?!


Muitas dessas coisas vêm com escala, saúde é uma delas. As pessoas ainda estão descobrindo como usar informações. O que significa para mim avançar se eu tiver maior risco de desenvolver diabetes tipo 2, o que devo fazer? Não há um grande suporte sistema ainda. Essa é uma das coisas que acho que o Vale do Silício terá cada vez mais papel para ser assumido.


E então eu vejo a próxima década de algumas maneiras como impulsionando muitas das conexões virais, haverá um mundo de saúde diferente do mundo que conhecemos hoje. O

mundo que conhecemos hoje, que se baseia em médicos, hospitais e visitas presenciais - haverá tudo isso previsto em seu telefone.

(Entrevista ao podcast Masters of Scale publicada em 1 de agosto de 2019)



Para finalizar: você e sua irmã Susan estão em cargos de liderança no Vale do Silício! Como você vê a representatividade e diversidade no Vale?


Não há muitas mulheres no Vale. E é realmente uma pena, porque acho que a diversidade faz uma diferença tão positiva. É muito melhor quando você tem um grupo diversificado de pessoas. Tivemos um período em que tínhamos uma equipe administrativa inteiramente composta por mulheres e pensávamos: “Precisamos contratar um homem”. Somos muito incomuns nesse sentido. Mas, em parte, a diversidade realmente beneficia. Você vê todos os tipos de pensamentos.

(Entrevista ao podcast Recode Decode em 22 de outubro de 2018)



MATERIAIS GRATUITOS

MORSE YEARBOOK

Veja o que o futuro da tecnologia mobile reserva para os próximos anos.

RECEBA NOSSO CONTEÚDO