Do Marketplace ao SaaS

Nos últimos meses, empresas de software estão correndo para criar seus próprios marketplaces, falamos aqui sobre as ERPs e sobre as varejistas olhando para este modelo como “o” caminho para virar um tipo de superapp, percebendo um grande valor na sua audiência Mobile. Então, por que aplicativos como a Rappi, o Uber e a Starbucks, que já têm esse “asset Mobile”, estão indo no caminho contrário, abrindo suas plataformas para terceiros, ou licenciando o software,  ao invés de continuar apostando unicamente em seus marketplaces? Bem vindos ao Morse de hoje, que inclusive também já vem nessa tendência e já licenciou um de seus ativos :) mas é papo para o final dessa news.


The News

Se você perdeu o que estamos falando, um pouco de contexto: a Rappi anunciou o “Rappi Próprio” na semana passada, uma plataforma digital para restaurantes que desmembra os ativos da Rappi que antes eram um pacote só, em opções avulsas, podendo ou não utilizar as entregas pelo app, ou mesmo estar no marketplace. Os restaurantes também podem, por outro lado, utilizar o software de gestão de pedidos e a funcionalidade de pagamento. Ou seja, o restaurante pode ter toda uma operação digital, sem “estar” na Rappi. Já a Uber, no mês passado, fechou contrato com uma região da Califórnia para oferecer o seu software - tipo SaaS - para os serviços de gerenciamento urbano da prefeitura (eles até compraram uma empresa para isso na semana passada, olha só). 

Crescer, mas pra que lado?

Aplicativos de marketplace têm um desafio constante na hora de ganhar escala, isso porque, diferente de outros segmentos, eles precisam pensar em dois tipos de audiência na hora de crescer: a de vendedores e a de compradores. É literalmente um trabalho em dobro para galgar espaço no mercado. E ainda tem o tal dilema “ovo e galinha” desse segmento:  O que vem primeiro, os downloads ou o serviço? Colocando em termos mais fáceis, é só você pensar como um usuário com fome: você não vai baixar um aplicativo de entrega de comida se não tem restaurantes ali. Agora pense como dono de restaurante: você não mudará parte da sua operação  para um app de delivery, se este não tiver muitos usuários por ali. O que as startups fazem é se valer do efeito de rede dos dois lados - uma pesquisa mostrou que esse efeito foi responsável por 70% do valor das maiores empresas de tecnologia de 1994 até 2017. 


Crescer para conquistar ou Conquistar para crescer?

Se a gente está falando de efeito de rede em aplicativos de marketplace que dependem de um serviço físico - como é o caso do Uber e da Rappi - existe um outro limite a se ultrapassar: o geográfico. Para essas empresas, crescer para outras localidades requer um investimento massivo. Lá no começo, o Uber pagava os motoristas do Black mesmo para ficarem parados, mas disponíveis para justamente atrair usuários que começavam a chegar ao app e não poderiam não encontrar motoristas; para entrar em alguns países, eles não se fizeram de rogados e compraram outras empresas (como a Careem, no Oriente Médio, por módicos US$ 3,1 bilhões).  Além da Colômbia e no Brasil, a Rappi opera no México, na Argentina, no Chile, no Peru e no Uruguai. Só que, diferente de uma Netflix que quando têm entra num país, entra em todas as regiões do país de uma vez, a Rappi  cresce de cidade em cidade, já que depende de restaurantes e lojas. E é bem caro! A Rappi (que atualmente está em 70 cidades no Brasil) recebeu  investimento de US$ 1,2 bilhão do Softbank no meio do ano passado, e o objetivo do aporte foi bem claro na época: growth. Com o Proprio, e oferecendo a plataforma em SaaS, a empresa consegue driblar esse investimento maior em escala, já que eles viram quase uma Netflix - usando o exemplo que já demos.  O que impede um restaurante na Bulgária (é, aleatório assim) de utilizar um Rappi Próprio? Ponto para o software como um vetor de escala.

And enter the other contenders

Na busca por crescimento existe também um fator a se considerar: a concorrência acirrada do mercado de delivery - falamos aqui do de restaurantes, mas também do de supermercados - no Brasil. No último ano e meio vimos o crescimento de iFood, UberEats e Loggi, bem como a entrada de marcas nesse meio, como o James Delivery, do Pão de Açúcar, o Wabi da Coca-Cola e aplicativos de restaurantes próprios, como McDonald’s e Madero. Ou seja: há apps demais e, em algum momento, vai haver uma quebra na parte da oferta da Rappi (o que, já falamos ali em cima, tem um impacto direto na ponta dos usuários finais) o que pode afetar a demanda, ou até a receita, já que as taxas com estabelecimentos poderão passar sob uma nova precificação.


Não é mais uma AWS

Para muitos, o ato da Uber lançar a sua plataforma para governos e gerenciar o trânsito, foi muito parecida com a Amazon ao lançar a AWS: um serviço que eles já tinham internamente e resolveram “produtizar” (já vamos aí pedindo a desculpa pelo linguajar startupeiro). A gente vê de outra forma, e sigam esse raciocínio: se existe uma questão de ovo-galinha quando fala da expansão de marketplaces em mercados diferentes, esse crescimento custa muita grana. E chegar antes em certos lugares pode ser o diferencial num momento de alta concorrência. Sendo assim, porque não avançar como software, e depois,  com os dados desses mercados a partir do lado da oferta (já que eles estarão no core da operação de uma cidade, no caso do Uber; ou dentro da caixa registradora de restaurantes, no caso da Rappi) balizar os próximos movimentos de growth da empresa? De forma mais direcionada. No caso da  Rappi: se o sistema já vai estar em restaurantes menores, não seria apenas um pulo oferecer o serviço do app de marketplace? É uma forma de usar o SaaS para sondar a audiência potencial antes de mirar os canhões de growth. 

So...

Não é a primeira vez que plataformas digitais são utilizadas como forma de entender a audiência - só lembrar do que a Starbucks tem feito com o seu aplicativo ou, até mesmo, de todo o movimento de absorver o pagamento digital que fintechs e apps por aí tem feito. Voltamos com a pergunta que fizemos lá no começo da news: se as empresas de software estão correndo para criar seus marketplaces, por que, raios, o marketplace está querendo virar software? A resposta mais simples, depois de tudo o que falamos é:  Estratégia de crescimento.

Ah, e para quem ficou curioso sobre o case do Morse, sim, já estamos nessa tendência, licenciando o formato do Ghost para outros verticais de conteúdo. 

MATERIAIS GRATUITOS

MORSE YEARBOOK

Veja o que o futuro da tecnologia mobile reserva para os próximos anos.

RECEBA NOSSO CONTEÚDO